Geral Assistência Social debate acolhimento de migrantes gaúchos no Extremo Sul Catarinense

Assistência Social debate acolhimento de migrantes gaúchos no Extremo Sul Catarinense

27/05/2024 - 17h35

A Secretaria de Estado da Assistência Social, Mulher e Família (SAS) está realizando o trabalho de mapeamento junto aos municípios que fazem divisa com o Rio Grande do Sul sobre as necessidades dos migrantes que vieram do estado gaúcho para Santa Catarina em função da Situação de Calamidade Pública devido às cheias recentes.

E na tarde desta segunda-feira, 27, a secretária da SAS, Maria Helena Zimmermann, participou de uma reunião na Unesc Araranguá e ouviu representantes das cidades do extremo sul. “Nós precisamos estar unidos, por que essas famílias precisam de um acolhimento, é essa a preocupação do governador Jorginho. Precisamos dar suporte para elas voltarem ao Rio Grande do Sul, e caso elas queiram ficar em Santa Catarina que a gente faça esse encaminhamento ao mercado de trabalho, que a gente ajude a desenvolver”, destaca a secretária.

Maria Helena Zimmermann, afirma também que ainda na terça-feira, 28, terá um encontro com o governador para formalizar o programa de acolhimento e  também a apresentação  de dados.

Participou da reunião a secretária de Assistência Social, Dione Cesa, que destacou a particularidade das cidades litorâneas. “Nós enquanto representantes do município viemos ouvir o que o estado nos propõe com essa expectativa de atender as famílias vindas do RS. Nós somos os municípios de porta de entrada, é Gaivota, passa por Sombrio, chega em Araranguá. Os municípios litorâneos tem uma demanda ainda maior, pois tem casas desocupadas, e eles estão procurando aluguel e lugar para morar. Mas atrás disso eles procuram a unidade de saúde, a creche para o filho, a escola e principalmente a assistência social. Estamos na expetativa para saber o que vem dos governos estadual e federal, pois é uma demanda nova”, destaca.

Confira entrevista: