Geral De contos a romances: conheça a trajetória do escritor araranguaense Gimi Ramos

De contos a romances: conheça a trajetória do escritor araranguaense Gimi Ramos

12/06/2024 - 09h24

No programa 95.5 Entrevista, da Rádio Araranguá, apresentado por Gregório Silveira, o escritor Eliandro Gimi Ramos Coelho, conhecido como Gimi Ramos, compartilhou detalhes de sua trajetória literária. Natural de Araranguá e com 50 anos, Gimi Ramos tem uma vasta formação acadêmica e uma carreira diversificada que inclui poesia, contos e romances.

“Comecei a escrever com a banda Raids, na década de 90, tinha acabado de sair do colégio e formado em contabilidade. Iniciamos escrevendo em inglês, sempre adorei esse modo de escrever. Desde sempre, tive muita aptidão com a escrita. Foi uma época muito boa”, relembrou

Gimi Ramos se formou em técnico em Contabilidade pelo Colégio Estadual de Araranguá e é graduado em Letras Inglês-Português e Literatura pela Unisul, com especialização em Teoria da Literatura. Além disso, possui qualificações em Marketing, Processos Gerenciais e Escrita Criativa.

“A contabilidade veio de uma forma mais impositiva pela família. Entretanto, ter me formado, foi muito importante para meu caráter e minha construção na vida. A faculdade de letras chegou como um alívio na época. Sendo uma realização na minha vida”, destacou.

Em 2002, Gimi lançou seu primeiro livro de poesias, “O Teatro d’Alma”, de forma independente. A obra foi bem recebida, especialmente entre acadêmicos e professores. Em 2008, publicou seu primeiro livro de contos, “Homines”, pela Editora CBJE do Rio de Janeiro. Este foi seguido por “O Homem que Odiava Adeus” em 2015, lançado pelo selo Potencial Livros.

“Quando publiquei o primeiro livro, tive muito apoio de professores na época. A literatura tem um papel muito importante da sociedade, como colocar para fora o que se pensa. Foi fantástico, tivemos uma aceitação muito boa. O amadurecimento foi muito grande. A escrita é algo tão incrível, que leva a mudança até nós e consequentemente à sociedade. Depois disso, foi lançado o primeiro conto. Com isso, viramos a chave. Saímos da imaturidade para algo mais profissional. Aquela ingenuidade do Teatro d’ Alma, foi retirada e chegou o Homines. Era uma época difícil, mas com alguns apoios, conseguimos realizar o lançamento. Já o romance “O Homem que odiava Adeus”, foi alicerçado pelo plano de fundo da ditadura militar. É quase uma novela contada, onde trazemos muitas passagens da ditadura. Dei pinceladas de tudo que tinha na mente”, explicou.

Em 2017, Gimi Ramos trouxe à luz seu segundo livro de contos, “Papéis Esquecidos”. No ano seguinte, publicou seu segundo romance, “Bem-aventurado”, que ele considera sua melhor obra. Em 2021, lançou “Papel, Caneta… e Outros Papéis”, uma coleção de 20 contos que apresentam uma linguagem menos rebuscada em comparação com suas obras anteriores.

“O Papéis Esquecidos é anterior ao Homem que Odiava Adeus, porque já estava pronto antes de publicar o primeiro conto. Estava guardado na gaveta. Gosto muito desse livro porque é muito simples e menos complexo. Após isso, veio o segundo romance, livro que gosto muito. Trouxemos personagens bem definidos. É quase uma novela, com algumas ramificações. Sem dúvida é a minha menina dos olhos. Gosto de todos, mas esse tenho um carinho especial. Depois desses lançamentos, veio o Papel, Caneta, que trouxe um aprimoramento dos lançamentos anteriores. Me preocupei em trazer as críticas sociais, valores e as mazelas humanas, mas de uma forma mais suave. É uma linguagem mais tranquila”, enfatizou.

Novo lançamento em 2024

Gimi Ramos está pronto para lançar seu terceiro romance, “Os Anjos da Véspera”, em 2024. Este novo trabalho promete trazer mais uma vez a profundidade e o estilo único que caracterizam a escrita do autor.

“A concepção desse livro aconteceu em 2020. Ele trata de dois anjos, nos quais, trago o bem e o mal. Trabalho muito com realismo fantástico. Se passa na cidade do México, com sua mitologia asteca. A obra é uma fuga da realidade. O mesmo, está no forno, onde vamos lançar ou no dia 22, ou 29. Acredito que vou lançar em uma livraria de Araranguá”, concluiu.

Confira a entrevista completa na íntegra: