Economia De engenheiro a empreendedor de sucesso: conheça um pouco da história de Marques Rafael Oliveira

De engenheiro a empreendedor de sucesso: conheça um pouco da história de Marques Rafael Oliveira

03/06/2024 - 10h44

Na última sexta-feira, dia 31, a Rádio Araranguá recebeu um convidado especial no programa 95.5 Entrevista, apresentado por Gregório Silveira. Marques Rafael Oliveira, proprietário das unidades da Casa do Construtor Aluguel de Equipamentos em Criciúma, Araranguá e Tubarão, compartilhou sua trajetória de vida e carreira, desde suas origens em Araranguá até seu sucesso como empreendedor.

Marques Rafael Oliveira, de 45 anos, se considera um verdadeiro filho de Araranguá. Nascido e criado na cidade, é filho de Vamilton Oliveira e Janete Rafael Oliveira. Hoje, Marques é casado com Maria Tereza de Sá Machado e pai do Mateo. Sua formação básica ocorreu na Escola Básica Castro Alves e o ensino médio, no Colégio Nossa Senhora Mãe dos Homens, atualmente Colégio Murialdo.

“Fui criado em Araranguá e tenho muitos amigos. Até hoje nos reunimos com a turma, em encontros anuais. Na época, fiz meu primeiro vestibular para entrar no colégio Murialdo. Sempre gostei de estudar e meus pais nunca precisavam exigir muito, porque eu sempre entregava os resultados. A família é minha base. Sem ela, nada seria possível. Hoje, estou no outro lado da balança com meu filho e sei bem a responsabilidade que é cobrar a educação”, destacou.

Marques é formado em Engenharia de Produção Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), desde 2005, e também possui uma especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). Durante seus estudos, ele atuou em consultorias para pequenas e médias empresas através da Empresa Júnior de Engenharia de Produção da UFSC e do Instituto Evaldo Lodi, parte do Sistema Fiesc.

“Desde jovem sabia o que não queria, que era a área da saúde. Quando fiz o vestibular foi para Engenharia de Produção Elétrica. Na primeira chamada passei para UFSC. Apesar disso, não me adaptei e resolvi trocar o curso, para a Engenharia de Produção Civil. No final do curso, faltando duas cadeiras para completar o curso de produção, terminei o curso, porque havia finalizado a civil e eram as mesmas cadeiras. Em ação, tive muitas oportunidades, nas quais, agreguei muitas experiências. Foi de extrema importância esse período, atuando nessas empresas”, ressaltou.

Em busca de novas experiências e fluência em inglês, Marques morou por um ano em Londres, período no qual aproveitou para viajar pela Europa. De volta ao Brasil, o engenheiro contribuiu significativamente para a construção do Viaduto do Maracajá e na duplicação da BR-101, de Criciúma a Sombrio, acumulando seis anos de experiência.

“Passamos por algumas greves na universidade. Com isso, aproveitei para estudar na Europa durante seis meses. Contratei um curso de inglês para aprender o idioma. O visto veio para 10 meses e pude aproveitar mais o tempo. Foi uma grande experiência, morei com portugueses, italianos, dentre outros. Voltando ao Brasil, fui convidado por uma amiga, para trabalhar na Construtora Serra da Prata. Foi algo totalmente novo, pegar obras dessa magnitude. Atuei em muitos setores dessa empresa e isso me agregou muito conhecimento”, explicou. 

Além disso, Marques também teve a oportunidade de trabalhar em projetos internacionais de grande porte. De 2012 a 2016, Marques atuou na Guiné Equatorial, África, gerenciando obras de infraestrutura, incluindo pontes, passarelas e viadutos na nova capital do país, Ciudad de La Paz.

“Após minha passagem atuando nas obras da BR-101, recebi a proposta para ir para a África. O objetivo era desenvolver obras de infraestruturas. O país que trabalhei era dentro da floresta. Eu ficava três meses lá e 21 dias no Brasil. Um dos maiores aprendizados que tive não foi com obras, mas com as pessoas. Convivi muito tempo com as mesmas pessoas e isso era um desafio. Foi uma época muito boa e fiz muitos amigos. Havia pessoas do mundo todo e foi onde aprendi o espanhol”, enfatizou.

Transição para o empreendedorismo

Após seu retorno ao Brasil, Marques decidiu seguir o caminho do empreendedorismo. Em 2019, ele inaugurou sua primeira unidade da Casa do Construtor Aluguel de Equipamentos em Criciúma, seguido por Araranguá em 2020 e Tubarão em 2022. A franquia é conhecida por atuar em todo o território nacional, além de ter presença no Paraguai e Uruguai.

“Quando retornei da África, já havia aberto uma construtora e passei trabalhar no meu próprio negócio. Na época, focava muito na parte de manutenção predial. Como dependíamos de equipamentos, alugávamos na Casa do Construtor. Com o passar do tempo, comecei a buscar novos meios de atuação. Em uma feira de franquias, me deparei com a Casa do Construtor e aproveitei a oportunidade e fechei a franquia, abrindo em Criciúma. Com projetos de expansão, nossos trabalhos iniciaram com a empreitada. Trabalhamos com alugueis para a construção civil de todo tipo de equipamento. Atualmente a empresa é a maior em locação de equipamentos da América Latina”, concluiu.