Agronegócio Enchente no Rio Grande do Sul causa prejuízos incalculáveis na produção de arroz, afirma presidente do SindArroz

Enchente no Rio Grande do Sul causa prejuízos incalculáveis na produção de arroz, afirma presidente do SindArroz

08/05/2024 - 09h49

Em entrevista à Rádio Araranguá, no programa O Dia em Notícia, apresentado por Alaor Alexandre, o presidente do SindArroz e proprietário do Arroz Rampinelli, Walmir João Rampinelli, compartilhou uma estimativa dos danos causados pela enchente no Rio Grande do Sul à cadeia produtiva orizícola.

Rampinelli expressou sua preocupação com o bem-estar das pessoas afetadas pela tragédia, enfatizando a mobilização intensa de empresários e estados vizinhos para ajudar o RS. “A preocupação no momento é salvar as pessoas. Existe uma grande mobilização de empresários e também dos estados vizinhos para ajudar os gaúchos”, ressaltou.

Ele descreveu a situação das estradas interrompidas e destacou que, embora Santa Catarina tenha sido poupada de problemas significativos, houve uma redução de 15% na safra. Por outro lado, o RS, que tinha cerca de 20% da colheita ainda pendente, perdeu tudo.

“Se formos falar de arroz, Santa Catarina não teve problemas, o que teve foi uma redução de 15% na safra. Já o RS que tinha cerca de 20% para ser colhido, perdeu tudo. Estamos aguardando para ter mais informações”, destacou.

O presidente do SindArroz calculou que os prejuízos na cadeia produtiva do arroz no RS cheguem a 20%, afetando significativamente a produção. “A estimativa inicial de colheita era de 7,3 milhões de toneladas, mas agora é improvável que alcance os 7 milhões. Essa redução expressiva na produção provavelmente resultará em um aumento dos preços do produto, e o governo já está sinalizando a necessidade de importação para suprir a demanda nacional”, explicou.

Rampinelli encerrou sua fala assegurando que, apesar dos desafios enfrentados pela indústria do arroz, o suprimento do produto no mercado brasileiro não será comprometido. “Com certeza, não faltará arroz para o brasileiro. Existem países vizinhos que também detêm de uma grande cadeia produtiva”.