Economia Investimento milionário e muito serviço: os desafios de Araranguá para adequação ao Novo Marco Legal do Saneamento (Lei nº 14.026)

Investimento milionário e muito serviço: os desafios de Araranguá para adequação ao Novo Marco Legal do Saneamento (Lei nº 14.026)

23/04/2024 - 09h17

Em entrevista à Rádio Araranguá, no programa Dia a Dia, os diretores do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE), Jairo Costa e Mário Copetti, falaram sobre o fornecimento de água e o tratamento de esgoto na cidade. Além disso, as contas do órgão foram recentemente entregues ao Tribunal de Contas de Santa Catarina.

Um dos pontos centrais da conversa foi o prazo estabelecido para a adequação da infraestrutura de esgoto e água, que vai até 2033 (Novo Marco Legal do Saneamento). No entanto, os diretores expressaram preocupação com a brevidade desse prazo, especialmente considerando os desafios financeiros e técnicos envolvidos. Segundo Jairo Costa, diretor do SAMAE, atingir a meta de 90% da rede de esgoto instalada até 2033 exigirá um investimento considerável.

“Se trata de um valor bem expressivo. O Ministério Público cobra uma porcentagem onde temos que passar com a rede. Não é uma tarefa fácil de se fazer. Acredito que custaria algo em torno de R$ 400 milhões”, destacou Jairo.

Além disso, Mário Copetti, diretor do setor de Águas do SAMAE, ressaltou uma preocupação específica com a qualidade da água na região, alertando para a presença de 70% de alumínio no solo. Para ele, a falta de análises regulares representa um risco significativo para a população que utiliza poços artesianos.

“Em nossa região temos muito alumínio no solo. Para a população que utiliza ponteira e nunca fez uma análise, é extremamente perigoso. A água no município atende praticamente 90% da cidade, porém é necessário realizar o tratamento de forma adequada”, alertou Mario.

Em relação ao tratamento de esgoto, Jairo explicou que aproximadamente 40% da rede de esgoto está instalada atualmente. Ele também anunciou os preparativos para a construção de uma nova estação de tratamento (ETA), prevista para estar pronta até o final do ano. “Os próximos quatro anos serão dedicados ao aprimoramento do sistema de esgoto da cidade, com foco na expansão da rede e na melhoria das condições das ruas”, explicou.