Geral Nova praga ameaça pastagens no Estado: Cigarrinha Metadelphax propinqua causa preocupação entre pesquisadores

Nova praga ameaça pastagens no Estado: Cigarrinha Metadelphax propinqua causa preocupação entre pesquisadores

19/01/2024 - 08h20

Pesquisadores do Brasil e dos Estados Unidos identificaram uma nova praga que assola as pastagens de Santa Catarina, causando “surtos populacionais impressionantes”. Trata-se da cigarrinha Metadelphax propinqua, cujos impactos foram detalhados em um estudo publicado na revista Neotropical Entomology em 9 de janeiro.

Com isso, o programa A Força do Campo, da Rádio Araranguá, abordou o tema nesta sexta-feira, 19, e apurou informações completas sobre a praga.

A espécie, que foi observada pela primeira vez em janeiro e fevereiro de 2023 em áreas de produção de feno, especialmente em Chapecó e outros municípios da região Oeste, representa uma ameaça sem precedentes para as gramas-bermudas, amplamente utilizadas na alimentação do gado.

O estudo, conduzido em colaboração pelo Centro de Pesquisa para Agricultura Familiar da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e pesquisadores da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), e da University of Delaware, revelou informações preocupantes sobre a cigarrinha M. propinqua.

De acordo com Leandro do Prado Ribeiro, pesquisador e entomologista da Epagri, a cigarrinha libera uma secreção que pode desencadear o desenvolvimento de fungos. No entanto, a maior apreensão reside no fato de que essa espécie é conhecida como vetor de fitopatógenos prejudiciais para a grama-bermuda e outras plantas cultivadas, incluindo o milho.

“As consequências desses surtos incluem clorose foliar, redução da taxa de crescimento das plantas e a secreção que pode levar ao desenvolvimento de fumagina, um fungo responsável pela redução da área fotossinteticamente ativa da planta”, alertou Ribeiro.

A cigarrinha M. propinqua é uma espécie que se alimenta de diversas plantas, e sua recente identificação em cultivos brasileiros apresenta desafios significativos para os pesquisadores, que ainda não dispõem de ferramentas para o manejo eficaz dessa praga.

Diante dessa ameaça, Ribeiro enfatiza a importância do monitoramento constante das áreas afetadas para avaliar os impactos e desenvolver estratégias de manejo. A comunidade agrícola e autoridades, agora enfrentam o desafio de conter a disseminação dessa nova praga e mitigar seus efeitos prejudiciais nas pastagens de Santa Catarina.

Entre os riscos para as plantas, a Epagri detalha:

– As infestadas apresentaram clorose foliar, que é um amarelecimento ou perda de coloração decorrente da alimentação das cigarrinhas;

– Também foi observada redução da taxa de crescimento das plantas, devido à sucção de seiva e injeção de toxinas, bem como à deposição de honeydew, uma secreção açucarada eliminada pelas cigarrinhas no processo de alimentação;

– A secreção pode conduzir ao desenvolvimento de fumagina, um fungo do gênero Capnodium responsável pela redução da área fotossinteticamente ativa da planta.

Espécie

A cigarrinha M. propinqua é uma espécie que se alimenta de diversas plantas. Por se tratar de uma espécie nova em cultivos brasileiros, pesquisadores ainda não têm ferramentas para o manejo.

O pesquisador defende, no entanto, o monitoramento das áreas para acompanhar os impactos.