Agronegócio Produção catarinense de feijão atinge 116 mil toneladas na safra 2023/2024

Produção catarinense de feijão atinge 116 mil toneladas na safra 2023/2024

25/06/2024 - 07h33

A safra de feijão em Santa Catarina para o período 2023/2024 alcançou a marca de 116 mil toneladas, representando um crescimento de 1,76% em comparação com a safra anterior. Este aumento se deve principalmente à expansão da área plantada, que cresceu cerca de 6%, totalizando 63,5 mil hectares. Esses dados preliminares foram divulgados no Boletim Agropecuário de junho, publicado pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).

Preços e mercado

No mês de maio, os preços recebidos pelos produtores de feijão-carioca sofreram uma desvalorização de quase 16% em comparação ao mês anterior, com a saca de 60kg passando de R$180,97 em abril para R$151,54 em maio. Para o feijão-preto, houve uma redução de 5% no mesmo período, com o preço médio da saca caindo de R$199,94 para R$189,61. Em comparação anual, a desvalorização foi ainda mais acentuada, com o feijão-carioca registrando uma queda de 42,9% e o feijão-preto um decréscimo de 11,7%.

João Alves, analista de Socioeconomia e Desenvolvimento Rural da Epagri/Cepa, atribui essa movimentação de mercado à manutenção de uma oferta elevada. “Embora a produção gaúcha tenha sido afetada pelas enchentes, a safra paranaense de feijão superou as expectativas. A relação entre a produção e os preços médios obtidos pelos produtores catarinenses é positiva, especialmente para aqueles que investiram na segunda safra de feijão-preto”, explicou Alves.

Produção nacional

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projeta que a área plantada com feijão na segunda safra no Brasil cresceu 10,6%, com um aumento de produtividade de 13,2% e uma produção total de 3,3 milhões de toneladas, representando um incremento de 9,5% em relação à safra anterior.

Impactos

Milho: A produção total de milho em Santa Catarina é estimada em 2,26 milhões de toneladas, uma redução de 22,8% em comparação à safra anterior. Apesar de uma elevação de 2,8% nos preços médios pagos aos produtores em maio, a produção foi impactada por condições climáticas adversas no início da safra.

Soja: A previsão para a produção total de soja na safra 2023/2024 é de 2,79 milhões de toneladas, uma redução de 6,9% em relação à safra anterior. No entanto, os preços da soja apresentaram um crescimento de 4,5% em maio, influenciados por uma redução da produção nacional e aumento da demanda interna.

Trigo: Em maio, os preços médios do trigo tiveram uma alta de 2,16%, embora ainda estejam 11,66% abaixo dos valores do mesmo período de 2023. A produção estadual de trigo para o novo ano agrícola é estimada em 433 mil toneladas, com um aumento de 54% na produtividade média devido a melhores condições climáticas em comparação com a safra anterior.

Outras culturas

Maçã: Os preços da maçã catarinense valorizaram-se devido à baixa oferta. Entre abril e maio, a quantidade comercializada foi 2,5% menor, mas o valor negociado aumentou em 23% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Arroz: A safra 2023/2024 apresentou uma redução de 0,9% na área plantada, com uma queda de 8,36% na produtividade devido a condições climáticas adversas.

Alho: O preço do alho caiu em maio, e a expectativa para a safra 2024/2025 é de uma redução de 34% na área plantada, com uma projeção de aumento de 44,43% na produção.

Cebola: A produção de cebola está estimada em 521 mil toneladas, um aumento de 37,44% devido a expectativas de maior produtividade.

Pecuária

Bovinos: O preço da arroba do boi gordo manteve-se estável, com uma queda de 14,1% em comparação ao ano passado. A produção e abates aumentaram em 5,5%.

Frangos: As exportações de carne de frango tiveram um aumento de 2,2% em relação a maio de 2023, mas as receitas caíram 12,4%.

Suínos: As exportações de carne suína aumentaram 1,2% em maio, com uma receita 11,8% menor em comparação ao ano anterior.

Leite: A produção de leite aumentou 8% em Santa Catarina no primeiro trimestre de 2024, com preços pagos aos produtores subindo pelo sétimo mês consecutivo.