Geral “Que a gente possa castrar mil cães nesse ano, fora as castrações que a prefeitura realizará”, diz vereadora sobre aumento de cães abandonados em Araranguá

“Que a gente possa castrar mil cães nesse ano, fora as castrações que a prefeitura realizará”, diz vereadora sobre aumento de cães abandonados em Araranguá

31/05/2023 - 15h34

Um grande problema de saúde pública vem preocupando em Araranguá. Trata-se do crescimento de cachorros abandonados nas ruas. Segundo a vereadora Lena Périco, a situação é difícil de ser resolvida e precisa da cooperação do cidadão, em não abandonar e castrar o animal.

Além disso, a parlamentar alegou ter conseguido emendas para ajudar na castração desses animais. De acordo com Lena, o objetivo será castrar mil cães nesse ano, fora as castrações que a prefeitura realizará.

Em entrevista à Rádio Araranguá, no programa Dia a Dia, apresentado por Saulo Machado, Lena Périco, falou sobre o assunto.

“Há mais de 20 anos a gente vem lutando pela causa dos animais. Estava aposentada e falei, vou me candidatar para fazer uma política pública para os animais. No primeiro ano a gente fez um departamento junto com a prefeitura, adquirimos um carro e todo equipado para essas situações, em que estão sendo bem utilizados (equipamentos). No dia dos mutirões realizados pela prefeitura, esse carro busca os animais”, relatou a vereadora.

Emendas

“As pessoas falam que veio uma emenda para bicho. A emenda não é assim, de uma hora para outra. Tenho acertado para esse ano, emendas para essa causa. Até o momento, nenhuma emenda do governo federal e estadual foram pagas. Com isso, já tenho uma emenda de R$ 100 mil do deputado estadual, Volnei Weber e não sei o valor da emenda do deputado federal, Carlos Chiodini, mas acredito muito na palavra deles, que a gente possa chegar a castrar 1 mil cães nesse ano, fora as castrações que a prefeitura realizará”, ressaltou Lena.

Castrações e credenciamento

“A prefeitura está castrando 120 cães por mês no município. Além disso, a o poder executivo deu um passo espetacular, fez um credenciamento de R$ 300 mil, em que duas instituições ganharam. Além dessas (instituições), o nosso hospital veterinário estava querendo participar, mas por não estar cadastrado como Microempreendedor Individual (MEI), não pôde participar. Mas eu já fui conversar com eles e nós vamos buscar recursos, vamos ver algum convênio, eles estão atrás de emenda, porque só vão conseguir manter esse trabalho voluntário, se tiver emenda. Ninguém consegue fazer trabalho de graça. O setor público não tem condições de realizar uma política que há anos não se faz”, explicou a vereadora.

Apoio

“Precisamos do apoio da Promotoria Pública e da Polícia Civil. Quando a gente vê os filhotes abandonados, não é de cão de rua, são pessoas que deixam procriar e abandonam. Infelizmente, nós temos que castrar muitos animais e com esse credenciamento, essa licitação que será feita pela Saúde através do Cis Amesc, nós vamos cadastrar e iremos para os bairros, tem que ir lá, porque se não, ninguém traz”, disse Lena.

Cães comunitários

“Quero deixar bem claro, que desde 2014, nós fizemos parte da lei de proteção ao animal, em que foi lançada no governo de Sandro Maciel. Naquela ocasião também foi feita uma lei de cães comunitários. Temos uma protetora que mora no Paiquerê, que foi ameaçada de ter um  B.O (boletim de ocorrência) contra ela, feito pelos vizinhos. Os cachorros estão castrados, ela ainda paga vacina e eles estão na casinha na frente da casa dela. Porém, o animal tem um instinto de marcar o território. Não existe isso de pegar um terreno e colocar as casinhas, amanhã vai ter 1 mil lá. Nós temos uma lei estadual que protege os cães comunitários”.

Por fim, a parlamentar falou sobre o grande número de cachorros que estão as proximidades do Hospital Regional Araranguá. “No caso do hospital, tem que tirar eles de onde estão e colocá-los em outra parte, onde não tenha muita circulação de pessoas, porque é a área deles”.