Política Reestruturação na Rede de Ensino de Araranguá gera polêmica na Câmara de Vereadores

Reestruturação na Rede de Ensino de Araranguá gera polêmica na Câmara de Vereadores

16/02/2024 - 09h52

Na última sessão da Câmara de Vereadores de Araranguá, as transferências de professores na rede municipal de ensino foram o ponto central de acaloradas declarações, levantando questões sobre possíveis motivações políticas em um ano eleitoral. A medida, promovida pela Secretaria de Educação, vem gerando reações e acusações que ecoam nos corredores do legislativo municipal.

De acordo com as informações divulgadas durante o programa Dia a Dia, na Rádio Araranguá, apresentado por Saulo Machado, a secretária de Educação, Mariluci Bilck, acompanhada pelo assessor jurídico da pasta, Dr. Aldrin Luciano, esclareceu os motivos por trás das transferências que têm como alvo professoras com longa experiência, algumas atuando há 18 e 25 anos nas escolas do município.

Segundo Mariluci Bilck, as transferências são parte de uma reestruturação planejada desde 2021, visando aprimorar a qualidade da educação em Araranguá. Ela ressaltou que foram realizados investimentos significativos em diversas áreas da educação nos últimos anos e que as mudanças pretendem colher os resultados desses investimentos.

“Já imaginávamos que aconteceria repercussões. Queremos deixar claro, que houve uma reestruturação da rede de ensino desde 2021. Foram realizados investimentos em inúmeras áreas da Educação. Nesse ano, decidimos começar a colher os resultados desses investimentos. Estudamos junto a nosso jurídico, essa possibilidade de estar remanejando esses profissionais mais experientes, para estarem atuando em outras unidades. Esse foi o sentido real das transferências”, destacou a secretária.

O assessor jurídico, Dr. Aldrin Luciano, acrescentou que as transferências foram embasadas em critérios técnicos e pedagógicos. Ele destacou que a medida visa solucionar conflitos identificados ao longo de três anos e melhorar os índices de aprovação e desempenho dos alunos em algumas unidades escolares.

“Observamos que os resultados de aprovação junto ao entendimento e conhecimento dos alunos, em algumas unidades, não atingiram o nível ideal. Por essa razão, o entendimento da secretaria, foi que apesar de todos os investimentos realizados, foi necessário agregar essas alterações. Além disso, algumas escolas estão recebendo apoio pedagógico, algo que é novo na rede. Entendemos que utilizar a experiência de funcionários efetivos da rede, em escolas que atingiram índices que não foram o ideal, é uma excelente medida”, explicou Dr. Aldrin Luciano.

No entanto, as acusações de suposto favorecimento político ganharam espaço na discussão, especialmente pelo fato de algumas professoras transferidas serem ligadas ao Partido Progressista (PP). Dr. Aldrin Luciano negou veementemente qualquer perseguição política, enfatizando o compromisso da administração municipal com a melhoria da qualidade do ensino.

“Ficamos sabendo que alguns professores que foram transferidos eram do PP, após as transferências. De maneira nenhuma foi perseguição política. Queremos melhorar a qualidade do ensino na cidade”, acrescentou Aldrin Luciano.  

Os representantes da Secretaria de Educação afirmaram que as transferências não têm motivações políticas, mas são parte de um esforço para fortalecer a educação pública em Araranguá. “Toda a nossa administração visou dar condições adequadas aos professores, para depois, realizar as transferências”, finalizou a secretária.