Política Fila na saúde: vereadores debatem ações para diminuir espera dos pacientes

Fila na saúde: vereadores debatem ações para diminuir espera dos pacientes

08/11/2022 - 07h25

Pessoas que tem problemas de saúde, especialmente de média e alta complexidade que são de responsabilidade do estado e da união, e ficam na fila por anos. Este é o relato recebido por vereadores de Maracajá, que motivou um pedido de informações, de autoria dos vereadores Alex Cichella, Matias José Matias e Cristiano Trevisol Rocha, solicitando a relação com os nomes da lista de espera para cirurgias de alta e media complexidade e data dos pedidos.

Durante a discussão da proposição, o vereador Alex Cichella, um dos autores, esclareceu que recebeu reclamações de pessoas que tem problemas de saúde de alta e média complexidade e que estão há muito tempo na fila. O vereador defendeu que é preciso aumentar a capacidade de atendimento. “Sabemos que alta e média complexidade é responsabilidade do estado. Mas o município não pode somente colocar o nome na fila e deixar lá”, disse Cichella. O vereador chegou a defender que o município custeasse alguns desses procedimentos para agilizar a fila.

Já a vereadora Lane Dassoler, que além de vereadora trabalha como enfermeira no departamento de saúde, explicou que nem todos os procedimentos pode ser custeados pelo município. “Todo esse processo de ingressar com o processo na regulação é no departamento de saúde. Mas tem alguns procedimentos que não podem ser financiados pelo município. Nem o consórcio está fazendo alguns procedimentos, por que a tabela está defasada. Por exemplo, a prótese de joelho ou de bacia, elas custam aproximadamente R$ 30 mil cada”, disse a vereadora.

Vários vereadores debateram o assunto e uma das propostas que deverá ser levada a diante será a de montar uma comissão para buscar ampliar o acesso de Maracajá nas cirurgias de alta e média complexidade junto a secretaria de estado da saúde. A proposta foi feita pelo vereador Alex Cichella. “Não podemos somente colocar o cidadão lá e deixar toda a responsabilidade para o estado”, completou o vereador.