Economia Uma nova fronteira agrícola se abre: o Paraguai

Uma nova fronteira agrícola se abre: o Paraguai

22/02/2024 - 13h06

Muito embora, em municípios litorâneos a ocupação de terras tenha começado antes, como foi o caso de Araranguá e Sombrio, dentre outros, foi somente no final do século XIX, que a colonização europeia fez com que boa parte das áreas agricultáveis do nosso Sul catarinense fosse cultivada por italianos, alemães, poloneses, portugueses, espanhóis e outros povos em menor proporção.

Depois disso, entre os anos 1950 e 1960, outro ciclo migratório foi registrado na região, dessa vez no sentido contrário e dentro do Brasil. Quando centenas de famílias de nossos municípios, diante do enfraquecimento do solo (numa época onde não existiam fertilizantes) e a escassez de terras, se viram obrigadas a rumar para o Oeste paranaense.

Agora, uma nova fronteira agrícola se abre: é o Sul do Paraguai, onde os impostos são menores, as restrições ambientais são mais brandas, as terras ainda apresentam preços convidativos para investidores e o solo é, em boa parte de ótima qualidade.

Embora, dificilmente veremos novamente fenômenos similares como os registrados anteriormente, por conta de muitos fatores como por exemplo, a diminuição do número de pessoas dentro de uma mesma família, o que contribuía para a migração em grande número de indivíduos, o fato é que de tempos em tempos oportunidades surgem e a história registra estes deslocamentos populacionais.

Para falar sobre este assunto, entrevistamos no programa A Força do Campo de hoje Vanderlei Janning, que é representante comercial responsável pelas exportações da empresa Januário Máquinas. Ele reside em Massaranduba e nos trouxe muitas informações sobre o plantio do arroz no Paraguai e Argentina. Você sabia quem muito produtor que saiu, por exemplo, aqui de Santa Catarina e hoje está feliz da vida plantando, ganhando dinheiro em terras paraguaias?

Foto: da matéria El Trueno

Confere o programa na íntegra: