Política Jorginho e Samuca recuam e retiram pedido de renúncia e situação volta a aprovar pedido de informações da oposição na Câmara de Vereadores de Araranguá

Jorginho e Samuca recuam e retiram pedido de renúncia e situação volta a aprovar pedido de informações da oposição na Câmara de Vereadores de Araranguá

11/07/2024 - 10h35

Os vereadores Jorge Luís Pereira e Samuel Duarte Nunes, protocolaram na tarde de ontem os requerimentos onde renunciavam seus cargos na mesa diretora. Jorginho como primeiro vice-presidente e Samuca como primeiro secretário. Na tarde de ontem, o presidente Márcio Tubinho articulava uma eleição para ocupar os dois cargos, conforme prevê o regimento interno. Também na tarde de ontem, os vereadores Douglas Michels e Diran, demonstravam dispostos a assumir, para não deixar o presidente numa situação complicada. Até porque, se houvesse uma eleição seria apenas protocolar, pois certamente nenhum vereador de situação aceitaria ocupar os dois cargos.

Decidido

Ante a situação, o presidente Márcio Tubinho já havia tomado a decisão de trazer para a mesa, os dois vereadores de seu partido, inclusive com a possibilidade de se licenciar da presidência mais adiante para se dedicar à campanha, deixando Diran assumir a presidência. 

Retirados

Mas, para surpresa de todos, momentos antes do início da sessão, Jorginho e Samuca assumiram seus lugares na mesa diretora retirando os requerimentos da pauta de votação.

Vão ficar

Sem apresentar em plenário, durante a sessão, qualquer argumento que pudesse justificar os dois pedidos de renúncia, Jorginho e Samuca recuaram e decidiram que vão ficar até o final do mandato na mesa diretora.

Boca miúda

Nos corredores da Câmara o comentário era de que havia o entendimento de que se houvesse a renúncia do primeiro vice-presidente e do secretário, haveria a convocação de uma eleição geral, inclusive para a presidência. Com ampla maioria de votos a situação poderia eleger o presidente que quisesse. Mas o recuo teria acontecido exatamente porque o regimento interno da casa prevê apenas a eleição para os cargos que ficaram vagos, uma vez que não houve renúncia do presidente, e, portanto, não houve renúncia da mesa como um todo.

Negou

Mas na noite de ontem após a sessão, o vereador Samuca negou que algo neste sentido tenha existido. Garantiu que não houve nenhuma conversa em que o assunto tenha sido tratado. Afirmou que ele e Jorginho apenas entenderam que deixando os cargos poderiam se dedicar mais a suas campanhas. E que com a proximidade das eleições, algumas situações poderiam colocar em xeque o relacionamento na mesa diretora. Também afirmou que entenderam não ter sido a melhor das decisões a renúncia e voltaram atrás.

Aprovado

Outra surpresa na sessão de ontem foi a aprovação de um pedido de informações do presidente Márcio Tubinho. O próprio líder do governo se manifestou antes da votação, pedindo que os vereadores de situação aprovassem, o que foi feito.

O pedido

O pedido do presidente está relacionado cobranças judiciais de débitos de contribuintes com o IPTU. O vereador quer saber quantas execuções foram feitas em 2021 e 2024. Quantas ações foram protocoladas, especificando o ano, e o volume de novos processos iniciados. Tubinho justificou que tem sido procurado por contribuintes que têm sido executados judicialmente por dívidas com IPTU e que têm tido retirado dinheiro até de suas contas salário. Questionou se não existe algum tipo de situação em que o contribuinte possa parcelar seus débitos, como o REFIS, por exemplo.

A defesa

Diego Pires, líder do governo, rechaçou a defesa do presidente, lembrando que, por sua pressão, o prefeito Cesar aprovou o refis para famílias de baixa renda. Também disse que a administração não pode abrir mão de receita, sob pena de responder juridicamente. Afirmou com todas as letras, que a atual administração não protege os mais chegados, o que aconteceu anteriormente, quando “muitos com alta renda faziam o refis, pagavam apenas uma ou duas parcelas, não pagavam mais e ficava por isso mesmo”. Diego Pires disse também que “Logo aí na frente, esse assunto virá à tona e as responsabilidades serão chamadas”.