Política Porto seco causa discussão na Câmara de Araranguá e vereadores de oposição cobram explicações sobre a remoção de três professoras e falam em perseguição política

Porto seco causa discussão na Câmara de Araranguá e vereadores de oposição cobram explicações sobre a remoção de três professoras e falam em perseguição política

08/02/2024 - 10h42

Um anteprojeto de lei de autoria do vereador Luís da Farmácia provocou uma grande discussão na sessão de ontem na Câmara de Vereadores de Araranguá. O vereador propôs a implantação e construção de um porto seco, proibindo o trânsito de pesados caminhões dentro da cidade. O vereador baseou seu anteprojeto, no fato de que várias rótulas, meios-fios e calçamentos tem sido prejudicados pelo trânsito de pesados caminhões.

Votos contra

O vereador Diego Pires, foi o primeiro a abrir o voto contrário ao anteprojeto. Argumentou que a câmara não deveria aprovar tal medida, sem conversar com as empresas de transporte e com os profissionais que atuam no setor. Diego afirmou que o município não oferece a estrutura necessária, nem as empresas, para que o porto seco seja implementado.

Seguiram

Outros vereadores apresentaram discursos no mesmo sentido. Foi o caso do vereador Jorge Luís Pereira, o Jorginho, que mencionou as dificuldades dos caminhoneiros em chegar em suas casas. O vereador disse que muitas vezes eles chegam, matam as saudades da família, preparam a limpeza da cozinha do caminhão, é já tem que pegar a estrada novamente. Jorginho defendeu que o assunto seja discutido com a administração municipal e o setor de transporte de cargas, antes que se aprove qualquer medida.

Retirado

Depois de várias manifestações de outros vereadores no sentido de que votariam contra o anteprojeto, o vereador Luís da Farmácia solicitou ao presidente Márcio Tubinho a retirada, no que foi atendido.

Pedido de informações

Um pedido de informações aprovado na sessão de ontem na Câmara de Vereadores de Araranguá, assinado pelos vereadores Márcio Tubinho, Diran e Douglas Michels, deixou no ar possível perseguição política na Educação do município. Os vereadores pedem explicações à secretária de Educação Mariluce Bilk, sobre a transferência de três professoras da escola João Matias, para as escolas do Jardim das Avenidas, Lagoão e Divinéia.

Elogio

O vereador Douglas Michels ressaltou que as professoras foram elogiadas pelo IDEB da escola João Matias, e que seus trabalhos seriam necessários para melhorar o IDEB em outras escolas. Mas, segundo o vereador, na verdade, o IDEB da escola é menor do que outras e que pais e alunos são contra a transferência e que em ano eleitoral não se pode descartar perseguição política.

Lotados

Já o vereador Diran, disse entender que os professores são lotados na secretaria de Educação e que podem ser transferidos a qualquer momento. Só estranha que uma professora que está há mais de 18 anos numa escola, seja transferida num ano eleitoral.

Não é igreja

O vereador Diego Pires, afirmou entender que a transferência possa causar tais reações, até por laços afetivos que se formam quando um professor fica muito tempo numa escola. Mas, disse ser prerrogativa da secretaria de Educação transferir professores, que podem estar sendo necessários em outras escolas, com novas experiências. Neste momento houve manifestação de professores presentes nas galerias do plenário, contra a fala do vereador. Mas Diego Pires não se intimidou e afirmou que “A política tem regras, não é uma igreja e quem tem a caneta na mão manda”. Lembrou ainda a recente eleição para diretores de escolas no estado, onde o governador impôs exigências.

Subiu o tom

O presidente da câmara, Marcio Tubinho, advertiu que se trata de um ano eleitoral, mas que, mesmo sendo de oposição, pretende comandar a casa com tranquilidade. Mas ressalvou que começar o ano assim, com remoções de professoras, não é um bom indício. Falou em deixar a política de lado e pediu ao secretário de governo para que a administração reveja a decisão. Tubinho subiu o tom ao afirmar que, “Se a gente já começa o ano dessa forma, certamente logo ali na frente, vamos ter problemas”, avisou.