Política Resposta ao professor e o grupo contra a reforma da igreja, região ganha polígrafo e donativos continuam sendo levados ao RS

Resposta ao professor e o grupo contra a reforma da igreja, região ganha polígrafo e donativos continuam sendo levados ao RS

08/05/2024 - 17h27

A Coordenadora Regional de Saúde, Andressa Ribeiro, entregou ontem ao hospital São Judas Tadeu de Meleiro, um aparelho chamado Polígrafo. O aparelho não estava disponível pelo SUS em nossa região, sendo que pacientes tinha que ir à capital do estado. Na manhã de hoje a secretária de Saúde de Meleiro, Cristiani Felisberto, disse que mais um aparelho virá para o Hospital Dom Joaquim de Sombrio.

Serventia

O aparelho é instalado no paciente com problemas de sono, Ronco ou apneia do sono durante 12 horas, e o resultado do exame é decisivo na busca do tratamento e cura.

Sessão

A Câmara de Vereadores de Araranguá tem sessão na noite de hoje. Na sessão da última segunda-feira, os vereadores fizeram um minuto de silêncio em memória das vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul. A câmara também participa da arrecadação de donativos, que podem ser deixados na portaria da casa legislativa.

SAMAE

E aos poucos os donativos da população de Araranguá começam e chegar as vítimas das cheias no Rio Grande do Sul. Na manhã de hoje, uma equipe da prefeitura de Araranguá e do SAMAE, saíram para levar os donativos. Um furgão do SAMAE está sendo enviado com os copinhos de água envasados pelo SAMAE. Um caminhão da secretaria de Educação leva donativos arrecadados em Araranguá.

Investimento

Prefeitura de Turvo acaba de investir R$ 700 mil na ampliação da Escola Professora Laurita Manfredini Bistrot, em Linha Contessi. A nova área é superior a 250 metros quadrados e servirá para a criação de laboratórios de informática, matemática e história.

Grupo reage

Representando o grupo que se posiciona contra a reforma da igreja matriz de Araranguá, e que se diz em defesa da cultura, o professor de “estória”, quem conhece o português vai entender, Daniel Bronstrup, reagiu a afirmação que fiz durante meu programa ao vivo da igreja na última sexta-feira. Claro que descontextualizou o que foi dito a seu bel prazer. Quando afirmei e reafirmo que “vocês são desprezíveis”, me referi claramente a atitude de alguns, não jogo todos do grupo na vala comum, os que desejaram chuva para que a festa não obtivesse o sucesso desejado por todos os envolvidos. Não adianta mentir que não foi dito, tenho a postagem, posso até publicar, se quiserem, inclusive com o nome da pessoa que postou. Tal atitude é sim desprezível e desprovida de qualquer empatia com a causa. Defender ponto de vista, sem problema, o problema é o exagero e o ponto fora da curva, prática de alguns do grupo, e que ficou clara no vídeo do professor.

Espaço

Quanto a ouvir os dois lados, já disse e reitero, que não convidei para entrevista o padre Jonas, nem o Djool Maçaneiro nem o Reinaldo, por entender se tratar de um assunto da igreja que tem CNPJ, e que muito embora tenha o templo, sido erguido e mantido pelos fiéis, a eles não pertence, pertence a igreja católica. Eles pediram espaço e eu concedi. O mesmo se aplica ao grupo, que se quiser, terá a oportunidade necessária para apresentar suas razões. O professor sabe meu telefone, sabe onde me encontrar, basta pedir e terá o espaço. Mas ele preferiu dizer que não tem espaço e que estão barrados no meu programa. Preferiu me atacar, como alguns do grupo atacaram todos os que não concordam com suas atitudes.

Posição

Numa das postagens do grupo, alguém coloca que, “Tem gente de imprensa preocupada em atacar acirradamente os defensores da preservação, do que defender com propriedade o projeto da cúria”. Esse é o ponto, não defendo o projeto da cúria, mas a reforma, que é necessária. Também não entendo que em nome da cultura não se possa reformar, ou modificar, ou melhorar espaços. Ele mesmo responde o que questionou. Me posiciono contra a postagens no grupo, que ofendem, proferem palavras de baixo calão, sim, porque professor, o que eu disse, em nada tem a ver com baixo calão, no grupo sim, caluniam e acusam pessoas de bem, colocando em cheque a idoneidade de tais pessoas. Aí está o erro do movimento e motivo de minhas críticas.

Processo

Também querem me processar e afirmaram que tenho que nascer de novo para aprender a trabalhar. Sim, claro, sempre é tempo de aprender, e é o que tenho feito nestes quase 40 anos de trabalho. Quanto a processar, advogado é que não faltará com certeza, mas lembro que a justiça, já não lhes favoreceu em primeira instância na intenção de barrar a reforma. Também posso apresentar como prova, tudo o que já foi dito nesse grupo de vocês desde o início, e posso adiantar a quem não tem acesso, que coisas cabeludas, muito longe do razoável e do cristianismo, já foi publicado aí. Posso publicar, ou apresentar como prova, tudo o que foi dito sobre o padre, o bispo, o juiz, os escárnios em relação aos coordenadores da festa, que tiveram inclusive sua idoneidade questionada, e que certamente quem digitou, e tenho os nomes e as publicações. Acredito que cada um deles, ou delas, receber em breve o devido processo por todos, inclusive pela cúria. O que vocês precisam entender é que não é atacando o padre, a igreja, a imprensa e a justiça que se defende uma posição. Ao contrário de vocês, eu consigo sim, conviver e discutir com o contraditório. Quanto a aprender, façam como eu, aprendam e melhorem todos os dias, porque a vida é um aprendizado que se renova a cada instante.