“Eu sou contra, por que ele é caro. E o sistema que nós temos funciona melhor”, afirma vereador Paulinho sobre lâmpadas de led

19/10/2022 - 16h10

O avanço na iluminação pública com a substituição das atuais lâmpadas de sódio por lâmpadas de led, em Araranguá, motivou uma manifestação contrária do vereador Pedro Paulo de Souza, o Paulinho, PSD. Servidor de carreira, e por muitos anos responsável pela manutenção da iluminação pública da prefeitura, o vereador se disse contrário a substituição do sistema, devido o investimento necessário para a implantação e manutenção, comparado com o atual. Até mesmo a atração de sapos foi citada.

Para o vereador o investimento para a implantação de um novo sistema seria muito alto, sendo que o município tem outras extensões de rede que também são necessárias. “Uma lâmpada de sódio, que nós usamos, custa R$ 25 e a lâmpada de led custa R$ 600”, afirmou o vereador, citando extensões de rede que são necessárias como a avenida Coronel João Fernandes, XV de Novembro e ainda a rodovia até o Morro dos Conventos. “Essas novas redes saem da Cosip. Nós vamos ter dinheiro para fazer esses investimentos?”, perguntou o vereador que ainda arrematou. “O que eu estou vendo é que o povo vai ter que pagar mais Cosip”, disse.

A questão da durabilidade também foi questionada pelo vereador. “A lâmpada de sódio é uma lâmpada elétrica, a de led é eletrônica. A diferencia é que a lâmpada de led é ligada na rede. Quando dá uma carga a mais na rede, que ela balança, a lâmpada de led queima. Isso não acontece nas residências, por que as residências têm aterramento. O elétrico, que hoje nós temos, ela (carga) passa no reator e depois vai para a lâmpada. Então, quando a rede balança, o reator aguenta”, argumentou.

Até mesmo a presença de insetos foi citada pelo vereador. “Quando você tem uma lâmpada branca, você atrai mais insetos. E os sapos vem para comer esses insetos”, disse Paulinho.  “Eu sou contra, por que ele é caro. E o sistema que nós temos funciona melhor”, arrematou.

Manutenção na iluminação

O vereador ainda foi questionado sobre a manutenção no atual sistema. O alerta foi feito por ouvinte da Rádio Araranguá que reclamou a quantidade de vezes que as lâmpadas queimam na cidade. “A lei federal está errada. Ela manda, na licitação a gente comprar a mais barata. Daí acaba vindo o material com menos qualidade”, ponderou.